História de Dood Finale

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

História de Dood Finale

Mensagem por Dancain em Qui Abr 13, 2017 10:51 am

No norte Africano existia uma vila muito próspera chamada Ukufa. Nesse local, desde os tempos mais primórdios, o povo adorava o deus da morte e seguia seus ensinamentos. Contudo com o crescimento do local e a chegada cada vez mais intensa de novos habitantes a fé no deus começou a se dispersar entre os seguidores. O deus nada feliz com isso amaldiçoou o lugar com a morte dos futuros filhos por 10 anos. Com isso a cidade voltou a se curvar para o deus da morte que antes de retirar a maldição enviou um aviso a um sacerdote comunicando que nos próximos 100 anos, em todo ano, no último dia da primavera, a primeira criança a nascer naquele ano deveria ser morta em sacrifício a ao poderoso deus e que caso isso não fosse cumprido a fúria da morte seria lançada sobre todos que ali viverem e sobra aquela terra.
E assim aconteceu por 99 anos. No centésimo ano algo aconteceu. Um dos habitantes da vila, que era um aventureiro de novas terras e comerciante, foi até a Europa para estabelecer novas rotas comerciais porém mal sabia ele que a sua maior descoberta seria uma Mulher. Quando chegou ao castelo de um poderoso rei espartano acabou conhecendo a esposa do homem e os dois se apaixonaram. O mercador ficou algumas semanas freqüentando o castelo e quando a sua partida estava próxima a mulher não resistiu e acabou desistindo de tudo para fugir com o comerciante africano.
Chegando em Ukufa, no primeiro dia do centésimo ano, a jovem mulher descobre que está grávida e portanto seu filho seria o predestinado Dood Finale, a morte final do ritual que libertaria para sempre aquelas terras e aquele povo. A mulher se desesperou uma vez que o destino de seu filho ainda não nascido seria a morte. Porém o medo, a persuasão e o poder de convencimento dos sacerdotes foi mudando a mulher pouco a pouco. Próximo da primavera o bebê nasce e todo o povo de Ukufa se agita com o nascimento da criança. Era um ser predestinado. Nasceu com o dom da saúde ofertado pelo deus da morte para que nada atrapalhasse o ritual. Nenhuma doença, nenhuma substância poderia ferir a criança que deveria esperar tranqüilamente pelo dia certo onde encontraria o seu destino e traria a paz de volta a Ukufa. No entanto o destino mais uma vez interferiu.
           O rei espartano não se conformou com a fuga da sua mulher. Ele concentrou todos seus esforços em localizar o casal fugitivo que havia desgraçado sua casa. Foi então que através de um grupo de mercenários viajantes ele descobriu onde o casal estava e descobriu também que um filho havia nascido e o destino que ele carregava. Não conseguiu pensar em vingança mais terrível que seqüestrar o filho predestinado e amaldiçoar a todos dessa forma. E assim aconteceu. Em uma noite os servos do rei invadiram a cidade na calada da noite, adentraram no templo, executaram os sacerdotes e fugiram com o bebê. Os guerreiros da tribo ainda tentaram perseguir os homens do rei mas era tarde demais. Eis que então chegou o primeiro dia do verão, e com ele não houve a morte de Dood Finale.O deus da morte furioso cumpriu suas ameaças. A cidade foi corroída pela peste e pela desgraça.
Dood Finale foi para Europa. Foi chamado de Richard Waldorf Wolf. A criança cresceu sem saber de nada, para todas impressões a rainha havia morrido, uma nova garota se tornou a esposa do rei e Richard era o novo príncipe, herdeiro do trono de terras espartanas. Assim foi como tudo se deu até os cinco anos de idade de Richard. Naquele ano a nova esposa do rei teve um filho, “irmão de Richard” e segundo na sucessão do trono. Foi então que tudo mudou na história do jovem príncipe. Com a chegada do novo bebê Richard foi praticamente expulso da família. Seus pais o tratavam como lixo, a criança passou a dormir com os servos do castelo e a trabalhar junto com eles. Sua criação não seria mais a de um futuro guerreiro espartano no entanto a cultura do combate em Esparta era tão grande que até mesmo entre os escravos e servos a luta e o treinamento em combate era diário. Só que os escravos não tinham armas e portanto durante toda sua infância e adolescência Richard teve que lutar usando apenas suas mãos. Depois de completar 10 anos, quando seu irmão completou 5, a vida ficou ainda pior para o jovem. Ele passou a ser um brinquedo do jovem. Tinha que atender a todos os caprichos da criança e passou inclusive a apanhar do “irmão” e dos “pais”. Nem junto com os servos o menino podia mais ficar Seu lugar passou a ser junto com os animais no celeiro do castelo. E no momento que o rei e sua esposa decidiram fazer isso acabaram por cometer um terrível erro. Morando ali o jovem acabou se tornando amigo dos animais e ao caminhar pela floresta em certo dia o jovem se deparou com um lobo. No princípio ficou com medo mas o jovem foi se aproximando do animal pouco a pouco conforme os dias foram passando. O jovem voltada todos os dias para o mesmo local na floresta na intenção de encontrar o animal que por curioso também fazia o mesmo. O tempo passou e os dois acabaram formando uma amizade. Começaram a ficar juntos e a se aventurar pela floresta sempre lado a lado. Na floresta Richard era feliz porém quando voltada ao castelo tudo desabava novamente. Na floresta o jovem acabou conhecendo a família do lobo, era uma matilha bem grande e algo saltou aos olhos. Havia algo a mais ali, não eram apenas lobos que viviam no interior daquela floresta. Não sabia ao certo mas parecia haver uma garota junto dos lobos. Era difícil saber ao certo pois a matilha não permitia que ele entrasse com tranqüilidade na sua caverna.
Os anos se passaram e o jovem seguiu na sua vida dupla. Em certo ponto da história o jovem conseguiu ter certeza que realmente havia uma jovem vivendo com aqueles lobos. Seus caminhos se cruzaram na floresta em uma noite de muita neblina. Na beira de um lago os dois se encontraram, cada um em uma margem. Os olhos se encontram e não se desviam por minutos. Os metros se encurtam ao som das batidas dos corações e a respiração é ofegante mostrando que o tempo que os separou foi longo de mais. É o encontro de estranhos que se viam todos os dias em sonhos. Sorrisos na escuridão da natureza e uma timidez e medo do desconhecido que aos poucos foi cedendo espaço ao encontro apaixonado. Não se sabe ao certo quanto tempo se passou até o momento do primeiro toque nem o tempo que se passou durante os toques que se sucederam. O que se sabe é que aquele encontro era inevitável e agora inseparável. Ficaram juntos por muitos dias e o amor dos dois crescia. O jovem Richard e a garota pareciam nascidos um para o outro e o jovem não queria mais voltar para o castelo onde sofria tanto mas esse dia era inevitável. Antes de partir Richard recebeu um presente de sua amada e jurou que voltaria em breve para ela e que não se separariam mais.
O jovem já tinha 17 anos então e seu irmão 12. Ao chegar no estábulo do castelo lá estava o irmão perverso. O garoto exigiu que Richard fosse até ele e se ajoelhasse. Pegou um relho e ameaçando o jovem exigia saber onde Richard tinha andado. O rei e a rainha o procuraram na noite passada e não o encontraram e isso era inaceitável. Em silêncio, com medo do irmã, Richard nada respondia. Enfurecido o irmão perverso começou a desferir golpes contra o rosto do jovem. Seu amigo lobo, ao longe, viu o que estava acontecendo e foi então que o destino de muitos começou a mudar. O lobo saiu das sombras e começou a caminhar na direção dos jovens. Conforme se aproximava sua forma parecia mudar. O lobo crescia e crescia. Sua aparência começava a ficar mais humanóide e mais aterrorizante. Quando os jovens viram aquilo o lobo já estava a um metro dos dois. Enfurecido o lobo atacou ferozmente o irmão de Richard e aos gritos de desespero o rapaz maligno caiu completamente estraçalhado ao chão. Em uma possa completamente cheia de sangue a vida do jovem carrasco se acabou. Os gritos foram suficientes para alertar os guardas do castelo. Richard tentando entender o que havia acontecido só conseguiu ver seu amigo correndo em fúria para a floresta.
Richard foi preso, aos olhos de todos ele havia matado seu irmão a sangue frio. O rei e a rainha se enfureceram. Em um ataque de raiva o rei foi ao calabouço e contou toda a verdade sobre o jovem Dood Finale. Que sua presença naquele castelo era graças ao ato de vingança e que a sua presença ali significava a desgraça total dos seus verdadeiros pais e da sua terra natal. O rei jurou que o jovem jamais sairia daquele lugar e pagaria amargamente pelo que fez. Algumas semanas depois surgiu uma visita especial em sua cela. Seu amigo lobo apareceu mais uma vez na sua forma lobo humanóide e destruiu as barras da cela. Os dois fugiram para a floresta e lá Dood ficou sabendo que seu amigo era na realidade um lobisomem. Os dois conversaram algum tempo até tudo ficar claro porém Dood precisava partir. Certamente a guarda do rei o perseguiria até o fim do mundo.
-Onde está minha amada caro amigo?
-Não sei Richard, ela devia estar aqui. Deve chegar logo, vamos esperar.
E as horas foram passando e nada da jovem chegar no entanto outros se aproximavam. O exército já se avizinhava revistando a floresta e não havia mais tempo para esperar.
-Richard você tem que partir agora! Vá, eu avisarei a ela onde você estará.
-Certo, estarei na taverna dos Jones e depois vou fugir para a África e tentarei encontrar minha cidade natal.
O jovem se despediu do amigo e jurou retornar a floresta assim que possível para que pudessem seguir seus caminhos juntos. Mas agora ele precisava fugir e também precisava descobrir se a história que o rei lhe contou era verdadeira. Não havia tempo para se despedir nem se explicar para sua amada. Dood precisaria se separar de seu amor para poder descobrir a origem do seu passado.
No caminho para fora do reino Dood parou em uma taverna onde encontrou um rosto familiar. Um grupo muito peculiar na cidade era dono daquela taverna. A taverna pertencia a família Jones que servia em muitas ocasiões a família real. Quando o jovem dood entrou na taverna a notícia de sua fuga já havia chegado até lá. Um dos filhos da família chamou Dood em um canto:
-Ei, você, jovem príncipe! Venha até aqui. Sei que está fugindo e tenho uma história para te contar. 18 anos atrás eu e meus irmãos saímos em uma viagem para a África, a mando do rei. Ele queria que encontrássemos a mulher dele. E nós encontramos. Sim, não faça essa cara de espanto, sabemos que você não é daqui e muito menos que é filho do rei. Também sabemos tudo que aconteceu no castelo, somos muito bem pagos para saber de tudo que acontece nesse reino. Pois então vou te contar tudo que sei, já que por culpa de nossa família que você veio parar aqui. Não pense que isso vai lhe sair de graça, vou te ajudar hoje pra aliviar o meu peso na consciência se é que me entende. Hehehe.
Os dois ficaram alguns minutos conversando e além das informações Dood conseguiu um companheiro de viagem. O jovem Indiana estava de partida para a África novamente, o rumor de uma civilização perdida cheia de tesouros misteriosos chamou sua atenção e uma companhia não faria mal. Richard precisava esperar sua amada mas a perseguição do exército espartano não cessaria tão facilmente e mais uma vez o rapaz teve de partir sem ver sua amada.
- Por favor senhor Indiana, avise minha amada onde fui, se ela aparecer aqui. E diga que nunca esqueci nem esquecerei dela.
Grato pela ajuda o jovem Dood jurou que retribuiria o favor da família Jones e do jovem Indiana e os dois partiram.
           Alguns meses se passaram até que os dois chegaram em Ukufa, ou melhor, o que restou dela. Parecia uma enorme ruína, envolta em uma atmosfera maligna. Parecia um pântano morto. Nenhum som se ouvia ali, nada parecia ter vida e nem mesmo o sol ousava se aproximar daquelas terras. Realmente era um lugar maldito. Ao adentrar nas ruínas parece ter entrado em um cemitério.
- Indiana, saia daqui! Você vai morrer se continuar aqui comigo. Me espere aqui fora, não se preocupe, nada de mal irá me acontecer.
Ao entrar em uma das casas Dood encontra uma pessoa que parecia ter morrido a pouco tempo. Mas tudo aquilo era estranho. Nem mesmo as moscas e os vermes entravam naquele lugar. Dood seguiu seu caminho, encontrou mais alguns corpos, o estado de conservação variava, muitos e muitos esqueletos. Nas ruas da cidade viu muitos altares e um símbolo estranho estava em todo lugar. No final de uma larga rua Dood avistou um grande templo. Lá dentro muitos livros empoeirados, muitos esqueletos, muitos símbolos misteriosos e um som. Um lamurio. O som o guiou até uma sala separada. Ao entrar viu um corpo deitado no chão. Se aproximou e viu que era uma mulher ainda viva.
-Senhora! Senhora! O que aconteceu aqui!? Onde estão todos!? Vamos embora daqui, vou ajudar a senhora!
-DOOD!!!! Como?!?!? Filho!
Foi a primeira vez que o jovem ouvia seu verdadeiro nome. A mulher era sua mãe que ainda sobrevivia naquela cidade maldita mas muito doente. Parecia um castigo final e mais terrível para a mulher que causou a falha no ritual. O jovem então ficou sabendo de tudo que ocorrera ali. Fraca e doente sua mãe disse tudo que havia acontecido. O jovem incrédulo queria tirá-la de lá mas a mulher não tinha condições de se mover nem ser removida.
-Filho, não é culpa sua nem minha o mal que aconteceu a essa terra e a esse povo. O deus da morte é terrível e as pessoas pagaram por acharem que podiam viver sob suas graças. Seu pai morreu aqui como todos os outros e assim como eu também irei em breve. Não há o que fazer, não lamente, era nosso destino. Você ainda viverá muitos anos e não deve guardar rancores em sua alma. O deus da morte lhe deu o dom de jamais adoecer e por isso sua vida será muito longa. Viva bem sua vida já que os que aqui habitavam não puderam faze-lo.
O silêncio pairou no ar.....Essa terra não merecia isso, o deus da morte tem precisa libertar esse lugar da escuridão.
           Essas foram as últimas palavras de uma mulher delirante. Uma mãe amaldiçoada a jamais ficar com seu filho. O jovem Dood Finale, que agora sabia de toda sua história, inclusive o significado de seu nome pré destinado(morte final na língua Africâner, um símbolo do destino que o deus da morte reservava para ele), ficou horas parado ali tentando processar tudo que aconteceu. Quando conseguiu se levantar foi até a biblioteca do templo, pegou todos livros que seus braços podiam carregar, e partiu.
Fora da cidade encontrou seu companheiro Indiana.
-Vamos Indiana, preciso descobrir como salvar esse lugar, preciso matar o homem que causou tudo isso.
Sem entender muito sobre o que seu amigo falava Indiana e seu amigo partiram.
           Meses se passaram, e a viagem de volta foi longa o bastante para Dood começar a traçar seu plano e iniciar sua preparação para os combates e mistérios que estariam por vir.
Os dois amigos tem muitas dificuldades para sobreviver naquele continente gigantesco e inóspito. Precisam trabalhar em todo tipo de lugar e serviço para sobreviver. A vontade de voltar para o reino de seus padrastos é enorme mas ele só pode voltar para lá quando puder enfrentar e vencer o rei que destruiu a vida dos seus pais e uma cidade inteira por vingança.
A criação espartana dos dois jovens foi crucial para a sua sobrevivência. A habilidade em combate era vital para evitar ladrões e conseguir dinheiro em rodas de apostas.Conforme suas habilidades iam aumentando sua renda e seus inimigos também o que fazia que os dois precisassem viajar muito. Em uma das cidades onde chegaram acabaram presos por derrotar um membro da guarda em um duelo. O sargento do exército local deu a opção de eles se alistarem ao exército ou morrerem como punição. A decisão foi fácil. Por alguns anos os dois fizeram parte daquele exército. Construíram sua fama e força aos poucos e em algum tempo se tornaram membros da guarda de elite local. Em todo tempo livre os dois se aventuravam em busca de conhecimento e tesouros. Sua carreira foi brilhante por algum tempo mas não era esse o objetivo de nenhum deles. Algum tempo depois os dois saíram do exército pois seu tempo obrigatório já estava cumprido e partiram para o que lhes interessava verdadeiramente. Conhecimento, tesouros, vingança e o reencontro.
-Onde estará minha amada? Já se passaram tantos anos e não tive mais nenhuma notícia dela. Ele teria desistido de nosso amor? Ela estaria me esperando em Esparta? O que a impediu de me encontrar na noite da fuga da prisão? Será que tudo aquilo fora um sonho? Preciso voltar e descobrir.
-Indiana, chega de África, vamos voltar para nossa terra.
Os dois retornaram, mas não para o reinado onde a família Jones vivia. Os dois foram para o reino vizinho de Atenas, inimigo. Se juntaram ao exército e batalharam muito para subir na carreira. O objetivo era claro, ficar poderoso e influente o suficiente para poder declarar guerra ao rei espartano criminoso.
           Em uma das missões do exército os dois invadiram uma antiga ruína de uma civilização antiga. Sua missão lá era arrecadar recursos para o reinado. No entanto em uma tumba profunda das ruínas da cidade nenhum soldado além de Dood e Indiana tinha habilidades e coragem para chegar. Lá dentro depois de escapar de armadilhas e animais ferozes os dois encontraram um altar com uma tabuleta muito diferente. Os dois resolveram ficar com aquilo para si. Pegaram mais alguns tesouros que estavam na câmara e voltaram.
O sucesso da sua missão rendeu para os dois uma grande promoção no exército o que finalmente possibilitou o ingresso no conselho de guerra e então foi questão de tempo até a guerra entre os reinos estar declarada. Uma vez declarada a guerra só mais uma coisa precisava ser feita. O encontro com seu velho amigo lobisomem e o fim da dúvida que nunca saia da sua cabeça. O que teria acontecido com seu amor?
           Dood e seu amigo Indiana voltaram para Esparta e seguiram para a floresta onde Dood se criou. Lá encontrou seu amigo Lobisomem e contou tudo que havia passado em todos esse anos de separação.
-Caro amigo, onde está meu amor? O que aconteceu com ela?
-Richard, ou melhor, Dood, a matilha foi atacada por caçadores naquela noite e ela teve que ficar e lutar e por isso não conseguiu te encontrar na fuga. Assim que ela me encontrou foi até a taverna dos Jones e desde então não sei mais dela.
-Meu deus, não posso acreditar, vou já até os Jones e ver se sabem dela.
Em minutos Dood estava na taverna e ao encontrar a família Jones ficou sabendo que sua amada esteve lá procurando por ele e que deve ter se dirigido para Ukufa para encontrá-lo.
E assim mais uma vez Dood se desencontrava de seu amor. Onde ela estaria? Estaria bem? Por que não voltou para Esparta se não me encontrou? Questões que teriam que esperar o final da guerra para serem respondidas. Com um vazio em seu peito e uma preocupação constante em sua mente Dood retorna para seu exército e a guerra começa.
São anos de combate, as baixas nos dois exércitos são imensas. Algo precisaria pender a balança para algum dos lados. Nessa hora Dood resolve tentar encontrar outros meios de vencer o combate. Se lembra do tesouro que havia encontrado em suas expedições e então começa a dedicar seu tempo a desvendar os poderes daquela Tábua ancestral. Dood se distância por algum tempo de seu exército em busca do conhecimento necessário para utilizar aquele artefato místico e em suas buscas acaba chamando a atenção de uma criatura estranha.
           Em uma antiga biblioteca do centro da Europa Dood encontra um homem sinistro chamado Righteous Endeavor. Um homem pálido, alto e magro, com uma aura pertubadora mas que parecia saber de muitas coisas. Os dois convivem por alguns dias naquela biblioteca e Righteous descobre tudo o que Dood passará até ali e decidi auxiliar nas buscas do jovem. Durante o processo Righteous se encanta com as habilidades e conhecimentos de Dood e também se interessa muito pelo conhecimento que aquele artefato antigo podia possuir, além da história ligada ao deus da morte que o rapaz tinha. O abraço então chega para Dood, um vampiro do clã Tzimisce o transforma em um filho da noite e por algumas semanas o ensina sobre os vampiros, suas fraquezas, suas forças, seus costumes e tradições. E também o ensina a temer os lobisomens. Para ele isso não fazia sentido uma vez que sua vida toda foi em meio a lobos e agora até um amigo Lobisomem ele tinha. Com a ajuda de seu senhor alguns mistérios da tabua foram revelados e utilizando seus poderes a conquista sobre Esparta se tornou muito mais fácil. Dood retorna a Atenas e de lá comanda seu exército para a vitória sobre o inimigo. O dia de sua vingança finalmente chegará, seu padrasto e madrasta finalmente parariam por tudo que fizeram. O encontro deles foi uma mistura de alegria e tristeza e o fim da história do rei seqüestrador chegava ao fim ali. Os dois foram enforcados e deixados para os corvos e Dood concluía sua carreira vitoriosa como oficial de Atenas. Como recompensa a Indiana e sua família por toda ajuda e cumplicidade ao longo de todos esses anos Dood concedeu a eles muitos tesouros saqueados do palácio e sua dívida estava finalmente quitada com a família de amigos no entanto seguiriam lado a lado.
Nos anos que se seguiram Dood retornou para o convívio com o seu senhor vampírico e com seu auxilio foi se tornando cada vez mais estudioso nas áreas ocultas e na história dos vampiros e logo descobriu que precisaria continuar contando com a ajuda de Indiana e sua família. Todos eles foram transformados em lacaios e dali para frente acompanhariam Dood para onde ele fosse. O senhor de Dood se muda para esparta e lá os dois começam a criar uma biblioteca que futuramente viria a ser uma das mais importantes do mundo. O senhor de Dood era grande conhecedor da medicina e das ciências em geral e percebendo o talento que o neófito possuía para esses conhecimentos logo começou a transmitir seus ensinamentos para o jovem. Anos se passam e Dood aprende com seu senhor tudo que era preciso sobre medicina e sobre os vampiros e seu clã Tzimisce, inclusive a poderosa arte secreta do Kouldun Sorcery. Foram muitos anos na companhia de seu senhor e quando Dood estava pronto seu senhor o deixa pois havia outros assuntos importantes que precisavam ser tratados no centro da Europa. Em pouco tempo Dood já havia conquistado seu território e respeito entre os outros vampiros. No entanto uma coisa o perturbava. Como seria agora a sua história com seu amigo Lobisomem e sua amada!? Vampiro, lobisomem e mortal....A história se complica ainda mais.
           Agora não havia mais nada a fazer ali. Era hora de buscar seu amor novamente. Dood e seu amigo Jones preparam suas coisas para mais uma vez viajarem para a África, dessa vez atrás da amada desaparecida. Quando os dois saiam do castelo a surpresa.
Ali estava ela, sim sim era ela. Parecia ter algo diferente no seu semblante mas definitivamente era aquela a garota que Dood procurou todos aqueles anos.
Os dois se aproximaram e descobriram. Eram vampiros. Os anos e a distância os separaram mas o destino mais uma vez os uniu e agora nem mesmo o deus da morte poderia separá-los novamente. O amor dos dois foi completo e intenso. Dood e sua amada viveram no antigo palácio Espartano por alguns anos e foram completos um ao lado do outro. Dood agora podia focar todos seus esforças em resolver a maldição que pairava sobre Ukufa e assim honrar os espíritos de seus antepassados. Sua busca por conhecimento foi árdua. Anos e anos de estudos, buscas, descobertas e combates estavam por vir. Entre essas buscas Dood acaba conhecendo outros Tzimisces que, ao contrário de seu senhor, seguiam os caminhos da vicissitude e com pouco tempo de convívio Dood pode perceber as grandes vantagens que havia ter aquele poder incrível e acabou trocando conhecimentos de Kouldunic por Vicissitude. Nesse período Dood também conhece um Toreador com quem acaba fazendo amizade e com ele aprende a arte da celeridade em troca do ensinamento da fortitude.
Suas buscas o levaram de volta a biblioteca de seu velho senhor e quando chegou lá teve a surpresa de que seu senhor havia encontrado a morte final em um combate com um velho inimigo. Na biblioteca Dood encontra uma anotação deixada por seu senhor para ele. Lá dizia a localização de uma cidade e a descrição superficial de um ritual que poderia ser aprendido lá que talvez fosse forte o bastante para quebrar a maldição sobre Ukufa. Nas anotações também falava que Dood deveria estudar mais a tábua que possuí pois era um artefato mais poderoso do que eles imaginavam anteriormente. oriente poderia haver um ritual forte o bastante para desfazer a maldição.
Assim Dood e sua amada decidem partir para a cidade onde estaria localizado o ritual. Lá encontram uma sociedade vampirica bastante evoluída com diversos membros poderosos e influentes. Conquistar a confiança e o respeito dos membros da cidade não foi fácil nem rápido. O casal teve de provar seu valor e habilidade por diversas vezes até terem o reconhecimento merecido. Com o passar do tempo Dood começou a dominar mais o poder que sua tábua possuía e aos poucos seu domínio sobre ele o fez crescer ainda mais em importância dentro da cidade. Logo o regente da cidade concedeu uma vasta terra e um grande castelo para que Dood e sua amada se estabelecessem e construíssem um lar. Nesse local Dood construiu uma nova taverna para a família Jones e lá eles se estabeleceram. Todos eles viviam no castelo junto com Dood e trabalhavam lá e na taverna. Seu amigo Indiana seguia fazendo suas aventuras e perseguindo tesouros e relíquias. Com o passar dos anos Indiana ajudou Dood a construir uma das bibliotecas mais impressionantes do mundo.
Logo Dood e sua amada estavam entre os vampiros mais importantes da cidade mas algo aconteceria que estabeleceria de vez a posição de Dood na sociedade. O príncipe da cidade, Tzimisce podereso, vingativo, prepotente e individualista, mantinha sobre seu domínio um poderoso vampiro Thru Brujah através dos laços do sangue e o conselho de anciões da cidade pediu ajuda a Dood para através dos poderes de sua tábua quebrar esse vinculo entre o príncipe e o poderoso Brujah. Dood viu nessa oportunidade a chance perfeita para crescer e se tornar o Tzimisce mais poderoso da cidade e ao mesmo tempo derrotar um ditador que nada de bom trazia para a sociedade. E assim aconteceu, depois de muito trabalho Dood conseguiu auxiliar a quebrar os laços e liberatar o Brujah do controle do príncipe. Com isso foi questão de tempo até a queda do Tzimisce e a ascensão de Dood. Com isso o novo príncipe Thru Brujah se torna amigo de Dood e ele finalmente tinha poder e influencia o suficiente para buscar o ritual que tanto buscava. No entanto surge uma nova prioridade: Dood recebeu um chamado de seu amigo Lobisomem e foi até a Europa para velo, mesmo sendo arriscado, pois afinal era um lobisomem que vivia com lobisomens pois parecia algo da maior importância. Os dois se reencontram e para a surpresa de Dood seu amigo também avia sido vampirizado. Como o amigo não era nem vampiro nem lobisomem provavelmente seria perseguido pelas duas raças. Sendo assim Dood resolve convidar o amigo para ir junto com ele até sua cidade e lá ele pediria que fosse concedido abrigo para o amigo. Sem muitas opções o amigo lobisomem aceita o convite o juntos voltam para a cidade. Lá Dood fala com seu amigo príncipe sobre o áxilo e apesar de relutar por um tempo acaba aceitando o novo habitante.
(acredito que até aqui não tenham se passado mais de 80 anos desde o encontro com o takashi então acho que dá pra ser assim a cronologia.10 anos na Àfrica como humano, 5 anos na guerra incluindo o abraço, 10 anos com o senhor após a guerra, 50 anos tentando conseguir o ritual e me estabelecendo na cidade do prado.)
Resolvido o problema de seu amigo Dood podia retornar sua atenção para seu principal objetivo. Já possuía sua amada, seus amigos vivendo em paz e próximos, respeito, poder e influencia, só mais uma coisa precisava ser feita.
O conselho de anciões e o novo príncipe ajudaram Dood a encontrar o ritual que buscava. Com o ritual na mão descobriu que sua busca estava apenas começando. Era um ritual complexo que exigiria muita pesquisa e coragem pois os ingredientes do ritual era inacreditavelmente difíceis de se conseguir.
Com a ajuda de sua amada os dois viajam metade do planeta, enfrentam todo tipo de perigo inclusive as criaturas mais poderosas que os livros descreviam. As habilidades de combate de Dood foram testadas ao máximo e a cada confronto sua habilidade aumentava, era isso ou o encontro com a morte final. Dood precisou viajar até os confins do oriente para aprender as técnicas que o ajudassem a superar seus adversários e por anos aprimorou suas forças.
Uma vez derrotado todos os inimigos e todos itens coletados era a hora de fazer o ritual que libertaria sua cidade. Dood então foi até a África mais uma vez e com a ajuda de seu amigo Indiana finalmente conseguiu realizar o poderoso ritual. Sua cidade estava livre da maldição e a partir daquele momento a terra de seus ancestrais poderia mais uma vez reencontrar a paz.
-Vamos embora daqui Dood, já fizemos o que tínhamos que fazer. Sua terra está livre e precisamos voltar para nossa cidade.
Os dois retornam para sua cidade e lá vivem anos de tranqüilidade. Dood conquistou terras e propriedades, estabeleceu-se financeiramente com sua amada e se tornou um dos anciões da cidade. Hoje vive recluso em seu castelo, estudando cada vez mais sobre as artes do obscuro e saindo do castelo apenas pelo chamado do príncipe ou para encontrar o grupo de anciões do principado.
avatar
Dancain
Admin

Mensagens : 30
Data de inscrição : 08/02/2016

Ver perfil do usuário http://rpgnoporao.forumeiros.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum